|

Radialista Fabiano Gomes fez delação, entregou Roberto Santiago e todo esquema de corrupção em Cabedelo

Após as denúncias do ex-presidente da Câmara de Cabedelo, Lucas Santino, teve início a operação ‘Xeque-Mate’ no município de Cabedelo, com prisões do prefeito, vice-prefeito, vereadores e secretários. Lucas apontou o nome do radialista Fabiano Gomes como um dos articuladores da compra do mandato do ex-prefeito Luceninha, e em depoimentos prestados nos dias 03.04.2018, 05.04.2018, 07.04.2018, 18.04.2018 na Policia Federal, o ex-secretário de comunicação de Cabedelo, OLÍVIO OLIVEIRA, confirmou a informação e apontou uma série de condutas criminosas praticadas pela organização formada no municipio.
O radialista Fabiano Gomes, um dos denunciados pelo Ministério Público no âmbito da Operação Xeque-Mate, compareceu espontaneamente a sede do MPPB em 27 de abril de 2018, e prestou um depoimento onde colocou o empresário Roberto Santiago, como o principal articulador da Organização Criminosa que se instalou na cidade de Cabedelo com a compra do mandato do ex-prefeito Luceninha em favor de Leto Viana.
De acordo com a denúncia do Ministério Público, Fabiano Gomes, dentre outras pessoas, foi responsável por exercer forte pressão junto ao Prefeito Luceninha para pagamento de um acerto prévio de R$ 30.000,00 mensais repassados a ele pelo então prefeito.
O MP nomeou a organização criminosa de “Orcrim”, que surgiu a partir da compra do mandato de José Maria de Lucena Filho (Luceninha), devido a dívidas contraídas por ele na campanha eleitoral. Desde então, a organização passou a praticar diversos crimes, como desvio de recursos públicos através da indicação de servidores “fantasmas”; corrupção ativa e passiva; fraudes a licitações; lavagem de dinheiro; avaliações fraudulentas de imóveis públicos e recebimento de propina para aprovação ou rejeição de projetos legislativos. As apurações desses e de outros crimes continuam, devendo resultar no oferecimento de novas denúncias.
O Ministério Público registrou que no dia 27.04.2018, FABIANO GOMES, dizendo-se ameaçado por telefonemas anônimos, procurou o Ministério Público da Paraíba para prestar depoimento e relatar sua versão dos fatos sob investigação. O depoimento foi registrado em mídia audiovisual.
Fabiano afirmou que não houve compra do mandato, mas uma procura espontânea, por parte de Luceninha e Olívio, ao empresário Roberto Santiago, através de Fabiano Gomes, para saldar dividas de campanha cujos credores estariam tomando insustentável a permanência de Luceninha à frente da gestão municipal.
A carta-renúncia de Luceninha foi redigida pela Sra. Maria Walquiria, então assessora de imprensa do Manaíra Shopping, sob a orientação do declarante. A carta teve firma reconhecida na casa da dona do Cartório de Cabedelo, no bairro de Manaíra.
O MP aponta que Fabiano Gomes chegou a ameaçar, na mídia televisiva, denunciar o esquema da compra do mandato de Cabedelo porque Leto Viana parou de pagar o “contrato” mensal que a empresa de Fabiano tinha com a Prefeitura durante a gestão de Luceninha e que ficara acordado ser mantido na gestão Leto Viana.
O radialista chegou a ganhar R$ 100.000,00 em cima de cheques repassados por Roberto Santiago, tendo em vista que antecipou um valor a menor que o constante do cheque.
Na delação ao Gaeco, Fabiano Gomes afirmou que Roberto Santiago era, de fato, o prefeito de Cabedelo, cabendo-lhe, efetivamente a gestão do município, inclusive a nomeação de Secretários e chegou a oferecer o contrato de lixo da Prefeitura, contrato este com sérios indícios de superfaturamento, para o comunicador.
Ao fim do depoimento, Fabiano Gomes disponibilizou-se a colaborar de forma irrestrita com as investigações, colocando a descoberto seus sigilos bancário e telefônico.
Em nota, o radialista disse que: “o desdobramento da operação Xeque-Mate, divulgado hoje, me faz reafirmar a confiança absoluta na Justiça e nos aparatos de investigação, os quais procurei, espontânea e antecipadamente, como deve sempre proceder quem nada tem a temer ou a ocultar”, disse.
Mesmo com a disposição de colaborar e de ter se apresentado para depor, o Ministério Público resolveu denunciar o comunicador Fabiano Gomes e destacou o seguinte:
Ainda que não se possam tomar por absolutamente verdadeiros os fatos relatados por FABIANO GOMES DA SILVA’, é inegável que a versão por ele apresentada, e sua posição central no esquema investigado, se presta a corroborar a tese central em que se arrima a presente investigação criminal, qual seja, a de que a organização criminosa de natureza politica capitaneada por LETO VIANA ascendeu ao poder tendo por sustentáculo financeiro o empresário ROBERTO SANTIAGO, cujos recursos possibilitaram:
1 – A compra do mandato do ex-prefeito Luceninha com a consequente ascensão de Leto Viana ao cargo de Prefeito Municipal, cuja missão precípua era barrar a construção do shopping Pátio Intermares.
2 – A consolidação de uma administração municipal baseada na corrupção financeira, em que grassavam desvios de todas as matizes, conforme revelado pelas investigações que redundaram na primeira fase da Operação Xeque-Mate;
3 – Subornos sistemáticos de vereadores com a finalidade exclusiva de impedir a construção do shopping Pátio Intermares, obstaculizando-se, dessa forma, e de maneira deliberada, o desenvolvimento econômico do município, lesado de forma irreversível no que diz respeito ao seu progresso econômico.
4 –  A submissão da atividade política municipal ao poder financeiro do citado empresário, que passou a se imiscuir despudoradamente na administração municipal, chegando a atuar, nas palavras de Fabiano Gomes, como prefeito “de fato”, cabendo-lhe inclusive compor o secretariado municipal a seu livre alvedrio.
5 – Com efeito, ainda que FABIANO GOMES procure negar o óbvio, a compra do mandato resta devidamente caracterizada pelas provas juntadas aos autos, não a desnaturando o fato de ter sido LUCENINHA a procurá-lo ou vice-versa.
Dentre outras acusações…
A Lei 12.850/2013 prevê até 8 anos de reclusão para quem promove, constitui, financia ou integra organização criminosa, cuja pena ainda pode ser aumentada em até 2/3, diante da participação de funcionário público. Além disso, no processo, o MPPB requereu à Justiça a aplicação das penas de perda de cargo, emprego, função pública ou mandato eletivo dos réus e a fixação de R$ 20 milhões (valor mínimo), como estimativa de valor dos danos causados pela atuação da organização criminosa.

Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Radialista Fabiano Gomes fez delação, entregou Roberto Santiago e todo esquema de corrupção em Cabedelo"

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias