|

Militar morto com a esposa grávida não gerou 1% da comoção de quando morre um bandido.

O segundo sargento do Exército Bruno Albuquerque Cazuca, de 35 anos, cuja mulher está grávida do terceiro filho do casal, foi baleado e morto na manhã desta terça-feira, durante um arrastão em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Ele dirigia um Kia Picanto cinza pela antiga Estrada Rio-São Paulo quando foi abordado por um grupo de bandidos armados com pistolas.
De acordo com o 40º BPM (Campo Grande), os ladrões assaltaram outros três motoristas no local. No carro de Bruno, os PMs encontraram uma farda. A polícia investiga se os criminosos executaram o sargento após ver o uniforme ou se o militar reagiu à abordagem.
O crime ocorreu por volta das 5h. Uma das vítimas do arrastão contou que pelo menos oito homens armados com pistolas, divididos em dois carros, fecharam as pistas e abordaram as vítimas. O sargento entrou em luta corporal com um dos bandidos. O criminoso, então, atirou contra Bruno, que em seguida foi atingido por outros comparsas. Ainda segundo essa testemunha, enquanto disparavam, os bandidos gritavam: “A gente mata mesmo. Se reagir a gente mata”.
O local foi isolado para a realização da perícia. Agentes da Delegacia de Homicídios (DH) foram acionados para o local.
Viúva de militar está grávida
Thales Nogueira de Aragão, de 59 anos, tio do sargento morto, contou que a vítima morava em Campo Grande e servia no Centro de Instrução de Operações Especiais. Ainda segundo ele, a mulher dele está grávida do terceiro filho do casal. Thales descreveu Bruno como um rapaz alegre e trabalhador que sonhava galgar postos mais altos na corporação.
Bruno Cazuca era segundo sargento do Exército
Bruno Cazuca era segundo sargento do Exército Foto: Reprodução
— O momento que a gente vive é de indignação e completa revolta. Ele era um garoto trabalhador, um guerreiro. Pai de família e filho exemplar. A gente não sabe aonde vai parar isso (a violência). Tomara que a intervenção (na segurança do Rio) tenha resultados positivos para a gente.
‘É a sexta vez que passo por isso’, desabafa vítima
Um motorista, que se identificou apenas como Renato, vinha logo à frente do carro do sargento, dirigindo uma caminhonete. Ele contou que viu quando o militar foi baleado após brigar com o bandido.
— É a sexta vez que passo por isso. Está difícil viver aqui. Esses políticos incompetentes só prometem e não fazem nada. Dá vontade de ir embora — lamentou Renato, acrescentando que, além do veículo, os bandidos levaram também seu celular, documentos pessoais e do trabalho.
Um motorista de Uber também teve o carro levado pelo bando. Segundo o rapaz de 28 anos, o sinal do GPS do veículo apontava que o automóvel teria sido levado para a Vila Kennedy.

Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Militar morto com a esposa grávida não gerou 1% da comoção de quando morre um bandido. "

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias