|

Celeuma por metro quadrado: Quando a emenda fica pior do que o soneto

O prefeito de Alagoa Grande, Antonio da Silva Sobrinho, usou por mais de duas horas um programa de rádio para justificar os novos valores que serão cobrados no IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), imposto aprovado pela Câmara Municipal na semana retrasada.
Essa sua participação se deu quando o povo, ao ler a nossa coluna (Jornalista Gildo Araújo), observou que iria haver um aumento substancial no IPTU. Afinal, foi por aqui que tomaram ciência da distribuição de Carnês para os contribuintes do município, medida inédita!
Depois da repercussão do caso, o Chefe do Executivo tentou desconstruir a informação dada, afirmando que o contribuinte iria pagar o IPTU de seu imóvel a partir de Janeiro de 2018 por metro quadrado e que os valores seriam “DE ATÉ R$ 1.400,00”, como é, por exemplo,o da Rua João Pessoa. Em uma interpretação totalmente equivocada sobre o conteúdo descrito por nós, o Chefe do Executivo municipal foi logo fazendo um juízo de valor e de maneira truculenta foi logo “atirando a esmo” com palavras debochantes e argumento ad hominem, atingindo diretamente o profissionalismo de quem escreve, visto que não tinha argumentos para com o projeto do IPTU.
Mas todos sabíamos que o “pano de fundo” desse destempero estava relacionado à repercussão do projeto, já que o povo alagoagrandense, quando realmente entendeu o que estava se passando, não se convenceu de ter que acrescentar em seu orçamento mais uma conta arbitrária, principalmente na situação em que se encontra a economia do país (e da cidade!).
E mais, um projeto em que não houve nenhum diálogo com a sociedade para um maior amadurecimento. Pergunta-se: o Sindicato dos Trabalhadores Rurais foi ouvido? O sindicato dos Produtores Rurais participou de alguma discussão sobre o tema? Pois até agora paira a dúvida se Zumbi e Canafístula realmente são áreas urbanas. E mais, a CDL, entidade que representa os empresários alagoagrandenses também pôde discutiu o assunto? O sindicato dos professores e/ou Sindicatos dos servidores públicos tiveram alguma participação nesse projeto? As Associações dos Trabalhadores Rurais e Associações de Bairros foram escutadas? Qual a participação das entidades culturais nesse projeto?
Ora, se temos um representante advindo da democracia, seria de bom alvitre tratar um assunto desses com muito cuidado, pois seria preciso uma ampla discussão com o público alvo: o povo. Aí sim, jamais haveria essa polêmica! O grande problema desse governo, e já temos dito há muito tempo em nosso semanário, é a comunicação que é quase inexistente, ou às vezes, conflitante. A prova disso é que como um Jornalista que escreve apenas uma vez por semana alcança um contingente tão grande de pessoas, e um governo com todo o seu aparato de pessoal, com a estrutura financeira e tecnológica de ponta, não consegue alcançar o público através de suas mensagens.
Mais uma vez, alertamos o prefeito e também a sua assessoria para que controlem os ânimos e, essencialmente, a linguagem quando se trata de expor a situação ao público, pois falar palavras grosseiras com quem fez críticas sensatas ao projeto de Lei, só faz deixar a população perplexa com o que estava ouvindo, e não resolve o verdadeiro problema do povo. Sinceramente, na opinião de alguns cidadãos de bem do Município parecia que quem estava falando ali já não era a maior autoridade da cidade, eleita pelo povo.
Ao final de sua participação, o que restou para a população foi o medo e a dúvida, já que a expectativa da ida do prefeito à emissora era a de dirimir todos os questionamentos dos contribuintes. Todavia, o que se viu foi um prefeito tomado pela exaltação de suas palavras e a todo momento fazendo consulta aos seus assessores, pois nem ele mesmo sabia os meandros da Lei aprovada; a ponto do apresentador Sátiro Ayres chegar a dizer ao Secretário da Tributação: que ele preparasse uma equipe com muita gente, pois seriam inúmeras as pessoas que iriam à prefeitura saber como ficaria sua situação.
E aí está outra prova da falta de diálogo com a população, infelizmente.
Esse projeto de Lei só veio aumentar, ainda mais, a preocupação dos pais de famílias que terão mais uma conta no seu orçamento; orçamento este já tão diminuído devido a situação econômica.
Por fim, é importante lembrar ao Chefe do Executivo municipal que estamos em um país livre e democrático, em que as instituições estão funcionando em sua plenitude, onde qualquer cidadão tem a ampla liberdade de expressão. Demos a nossa opinião e cumprimos com o nosso dever de informar.

O INFORMATIVO MAIS LIDO: JORNALISTA GILDO ARAÚJO.
Viemos agradecer ao grande sucesso de nosso informativo. Tudo isso só tem acontecido graças ao nosso trabalho que com imparcialidade vem aumentando de forma assustadoramente a confiança do nosso povo, não só em Alagoa Grande, mas em diversos outros municípios. Queremos agradecer a todos os canais de rádios de Alagoa Grande, Guarabira, Campina Grande e João Pessoa, além das redes sociais ( Facebook, WhatsApp, Instagram) e, em especial, ao Portal AG1 de Julio Agradecimentos aos milhares de amigos, autoridades, órgãos e instituições que enviaram votos de solidariedade à nossa pessoa em relação às palavras absurdas desferidas por um cidadão que se diz representante do povo. “Cada povo tem o governo que merece”. “QUANDO OS JUSTOS GOVERNAM, ALEGRA-SE O POVO; MAS QUANDO O ÍMPIO DOMINA, O POVO GEME”. Infelizmente estamos assim.

COM JOSÉ GILDO DE ARAÚJO
JORNALISTA
DRT 4580/97



Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Celeuma por metro quadrado: Quando a emenda fica pior do que o soneto"

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias