|

Paraíba pode perder mais de R$ 24 mi em proposta que altera distribuição do FPM

Uma proposta que muda a distribuição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para prever a destinação de 2% dos recursos para os Municípios de turismo por temporada está em tramitação na Câmara dos Deputados pode fazer com que a Paraíba perca R$ 24.350.258,19.
O texto do então deputado Fernando Jordão (PMDB-RJ), que renunciou ao mandato para assumir a prefeitura de Angra dos Reis (RJ), em janeiro de 2017. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) considera a matéria prejudicial aos Municípios, considerando que reduzirá os repasses como um todo a todos os Entes municipais.
O Projeto de Lei Complementar (PLP) 287/2016 altera a Lei 5.172/1966 do Código Tributário Nacional, que define a forma de rateio do FPM. Atualmente, 10% é transferido para as capitais dos Estados e 90% para os demais Municípios do País.
O autor da proposição propõe que os primeiros passem a receber 9% e as demais cidades, 89%. Os dois pontos percentuais destinados aos Municípios turísticos seriam aportados em uma reserva do FPM e repartidos conforme critérios definidos por lei ordinária e revistos a cada quatro anos.
Jordão defende, no texto, que o projeto objetiva compensar as cidades brasileiras que enfrentam fluxos turísticos concentrados em determinadas épocas do ano, quando os equipamentos públicos, como hospitais, delegacias e rodoviárias, ficam sobre pressão para atender a população extra.
O projeto será analisado nas comissões de Turismo; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para votação no Plenário da Câmara.
Posição CNM
A CNM é contrária à proposta. O impacto da medida pode ultrapassar R$ 772 milhões aos Municípios.
Levantamentos da CNM revelam que mais de 80% dos Municípios são dependentes do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e o tem como principal receita. Sendo assim, medidas como essa não podem prosperar, especialmente, porque os Municípios vivem um momento de crise financeira provocada, em geral, pelo desiquilíbrio na relação encargos x custeio, em que, cada vez mais, recebem encargos e responsabilidades sem a contrapartida das correspondentes fontes de custeio.
Confira abaixo quanto Municípios de cada Estado deixaria de receber, em detrimento de alguns Municípios beneficiados, caso o projeto vigore:
Acre – R$ 3.876.567,81
Alagoas – R$ 18.466.084,76
Amazonas – R$ 11.887.026,91
Amapá – R$ 3.050.811,91
Bahia – R$ 70.999.263,60
Ceará – R$ 38.791.028,08
Distrito Federal – R$ 1.326.460,48
Espírito Santo – R$ 13.635.002,04
Goiás – R$ 28.219.275,87
Maranhão – R$ 32.202.482,49
Minas Gerais – R$ 101.224.477,09
Mato Grosso do Sul – R$ 11.358.309,54
Mato Grosso – R$ 14.115.021,76
Pará – R$ 27.438.507,80
Paraíba – R$ 24.350.258,19
Pernambuco – R$ 38.356.617,20
Piauí – R$ 20.555.153,81
Paraná – R$ 52.237.487,33
Rio de Janeiro – R$ 22.996.606,85
Rio Grande do Norte – R$ 19.238.759,76
Rondônia – R$ 6.835.592,39
Roraima – R$ 3.883.775,01
Rio Grande do Sul – R$ 52.339.496,40
Santa Catarina – R$ 30.076.428,65
Sergipe – R$ 11.303.630,24
São Paulo – R$ 102.221.717,28
Tocantins – R$ 11.014.156,73

Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Paraíba pode perder mais de R$ 24 mi em proposta que altera distribuição do FPM"

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias