|

Vídeo inédito da noite em que agente morreu; suspeito estaria bêbado

Record TV, neste domingo (29), chamou a atenção do país para o risco da impunidade no caso do atropelamento e morte do agente de trânsito Diogo Nascimento de Souza, durante uma blitz da Operação Lei Seca, no Bessa, em João Pessoa, na madrugada do sábado (21). O motorista suspeito é Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, 24 anos, neto do empresário, ex-senador e ex-vice-governador José Carlos da Silva Júnior. A reportagem exibida durou mais de 12 minutos e revelou detalhes exclusivos da noite em que o agente foi atropelado ao tentar abordar o estudante que, segundo as testemunhas, dirigia um Porsche, carro de luxo avaliado em mais de R$ 500 mil. Assista abaixo.
A matéria especial trouxe imagens exclusivas que mostram o momento exato do atropelamento do agente de trânsito. Dá para ver que o carro diminui a velocidade, passa por um primeiro agente de trânsito e acelera em seguida, atingindo em cheio Diogo, que cai na pista de bruços, sem esboçar qualquer movimento. Em seguida, os colegas da blitz correm para socorrê-lo.
A reportagem da semana do programa 'Domingo Espetacular', da
O 'Domingo Espetacular' revelou que, antes de passar pela blitz, o estudante teria ido com uma mulher a um restaurante de luxo de João Pessoa. Na nota fiscal fornecida pelo estabelecimento às investigações da Polícia Civil, o maior consumo foi de bebida alcoólica. Foram pagas doses de gim, caipirinhas, vinho e o uísque. A conta paga pelo cliente ficou em mais de R$ 500.

O agente de trânsito Robério Inaldo foi o primeiro a dar o sinal para que o motorista do Porsche parasse para ser abordado na blitz. "Eu afastei um pouco e como ele não parava eu abri. Aí ele passou. Lento, mas passou. Foi quando ele, infelizmente, acelerou. Diogo ficou acenando e inexplicavelmente, ele fez o que fez", descreveu.

Os agentes confirmaram que Rodolpho não estava sozinho e estaria acompanhado de uma mulher, que seguia no banco de passageiro. A reportagem mostrou imagens de outra câmara de segurança, um pouco antes de blitz, que mostram que o motorista não conduzia o carro em alta velocidade, até se aproximar, atropelar e matar o agente de trânsito Diogo.

Em depoimento à Polícia Civil, uma testemunha disse que o veículo estava em baixa velocidade e que o condutor não obedeceu à ordem de parada e acelerou o carro, atingindo a vítima nas pernas, jogando-a contra o capô e contra o para-brisa.

Diogo Nascimento de Souza tinha 34 anos e era casado com Marcela Souza. "Eu quero deixar bem claro que não foi acidente. Diogo não teve a chance de se defender", disse. Ela contou que o casal planejava ter dois filhos. Para amenizar a dor, Marcela pede justiça. "Não posso nem chorar porque preciso ter forças para estar nas ruas, pedindo justiça, fazendo protesto, porque enquanto meu marido está enterrado tem um assassino solto", disse a viúva.

A reportagem questiona a concessão do habeas corpus em plena madrugada do sábado. O desembargador Joás de Brito Pereira Filho alegou que não existe causa a justificar o cerceamento do direito de locomoção. Para o delegado Reinaldo Nóbrega, da Polícia Civil, o que trouxe mais estranheza foi ter sido concedida a liminar. "Foi deferido o pedido do habeas corpus sem nem ouvir a autoridade policial, sem nem ver nenhuma peça da prisão temporária e nem o parecer do Ministério Público. A pergunta que se faz é: se fosse um José, um Francisco ou um Joaquim? Também teria essa decisão naquela hora?", estranhou o delegado.

Para Arthur Lins, agente de trânsito que também atuava na mesma blitz, o estudante atropelou Diogo porque quis. O agente Cristian Cavalcanti também desabafou. "A dor é muito mais forte agora, por saber que a pessoa que atropelou e matou o nosso amigo está solta e pode dar de frente conosco a qualquer momento", disse.

Pai do agente de Trânsito, Damião Souza também lamentou. "O pai dele está vendo o filho. Eu não posso ver mais o meu. Meu filho não merecia isso. É uma dor muito grande", disse emocionado.

A reportagem mostrou protestos e ouviu o presidente nacional da ONG 'Não foi Acidente', Nilton Gurman. Ele disse que a sociedade tem que se mobilizar para saber em que condições o habeas corpus foi concedido ao suspeito de ter matado o agente de trânsito. "Em quais condições ele assassinou um ser humano? E ter, claro, um amplo direito de defesa, porque a lei diz que todos são iguais perante a lei. A gente não pode aceitar que um seja mais igual do que os outros", afirmou.

 Assista à reportagem da Record TV.

Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Vídeo inédito da noite em que agente morreu; suspeito estaria bêbado"

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias