|

Secretário paraibano compara situação de presídios com Colômbia de Escobar: ‘confronto é inevitável’

Em entrevista à Rádio Estadão na segunda-feira (16), o secretário de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte, o delegado paraibano Wallber Virgolino, falou da crise no sistema prisional do Estado. Ele distribuiu críticas e também pediu apoio para ações policiais. “Ou fica do lado do bandido ou do lado do Estado.”

O motivo da rebelião foi uma guerra entre facções?

Há uma facção em nível nacional que quer dominar o Brasil, mas o Estado desconsidera sua existência. Não é o Estado do Rio Grande do Norte, é o Estado brasileiro. Ele [o PCC] vem crescendo, e as facções locais tentam impedir, até por sobrevivência.

O Estado está preparado para lidar com a crise de segurança, caso extrapole os presídios?

Tem de estar preparado. Esse confronto é inevitável. O crime organizado vem se estruturando e o Estado não se organiza para frear. Hoje a polícia é amordaçada e o criminoso tem mais direito do que obrigação. O criminoso tem de começar a ser tratado como criminoso. Nós estamos chegando ao que a Colômbia foi nos anos 1990, com uma diferença grave: lá na Colômbia havia o [narcotraficante] Pablo Escobar, aqui no Brasil nós temos mais de 50.

O Estado vai pedir mais reforço da Força Nacional?

A Força Nacional foi feita para controlar as ruas. Deveria se criar uma Força Integrada Penitenciária.


BRASIL JÁ SOMA MAIS DE 8 MORTES POR DIA EM PENITENCIÁRIAS EM 2017

O senhor disse que a ação em Alcaçuz foi ‘um sucesso’…

Quinhentos presos invadiram um pavilhão com 200, e morreram 25 pessoas [oficialmente, 26]. Não morreu mais em decorrência da ação do Estado, então eu acho que agiu bem. O sistema penitenciário é sinônimo de tensão, é uma guerra que se decide por detalhe. O Estado vem ganhando, mas uma hora o presidiário vai conseguir burlar a fiscalização e fazer o que fizeram. É inevitável. É culpa da superlotação e da falta de estrutura dos presídios. Há 20 anos, o sistema vem se degradando e ninguém faz nada. O Judiciário tem culpa. O Ministério Público, o Legislativo, o Executivo têm culpa. Há uma cadeia de incompetência que, se houver responsabilidade, todos têm de ser responsabilizados.

Por que a tropa de choque esperou para entrar em Alcaçuz?

A famigerada ação do Carandiru rechaçou o trabalho da polícia. A polícia, hoje, tem receio de entrar à noite [no presídio], tem receio de dar um tiro em um preso desse e depois ser culpada. O preso atira na polícia de [calibre] 12, de pistola, de revólver, dentro do presídio. E o policial não pode nem sequer dar um tiro no preso. Não pode nem salvar a vida. Tem de atirar de bala de borracha. A gente tem de rever esses conceitos.

O que foi feito para evitar conflitos semelhantes no RN?

Nós separamos os presos por facção, inicialmente. Temos mapeado líderes de facção e transferido para presídio federal. Não é fácil. Recebo preso que comete crime federal e não vai para lá. Para mandar, é a maior burocracia do mundo.

As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.



Luiz Cláudio com UOL

Compartilhe :

veja também

0 comentários Em: "Secretário paraibano compara situação de presídios com Colômbia de Escobar: ‘confronto é inevitável’"

Deixe um comentário!

Atenção: Não escreva pornografia ou ofensa pessoal.

Faça seu orçamento sem compromisso!
Faça parte desta campanha! Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs Publicidade how to make gifs

últimas notícias